Este é um blog de opinião. As postagens escritas ou selecionadas refletem exclusivamente a minha opinião, não sofrendo influência ou pressão de pessoas ou empresas onde trabalho ou venha a trabalhar.

domingo, 15 de março de 2009

Se fosse fácil...

Minha última avó ameaça nos deixar para trás. Está passando.
Ontem fomos vê-la. Pouco reclama e se mantém firme na fé (não larga o rosário um instante sequer). Luiza Coelho da Rocha tem 88 anos e já é a pessoa mais idosa da nossa família. É uma alma caridosa e dona de um coração irrepreensível.
Sou o seu primeiro neto e o que lhe deu o primeiro bisneto, melhor dizendo, bisneta, Ana Luísa, assim batizada para homenageá-la.
Sempre gozou de boa saúde, não padece de nenhum mal (apenas respira com dificuldade), mas dificilmente conhecerá outra geração.
Apesar da lógica do tempo e do espaço (existirá lógica no desconhecido?) não é fácil.
Assim tem sido e assim será, afinal, tempo não nos pertence.
Fiquemos por aqui.
Um dia sentirei saudades dos seus abraços, mas hoje ainda posso abraçá-la. Como na foto de um ano e meio atrás.

4 comentários:

Danny disse...

fiquei bem emocionada com suas palavras, isso me fez pensar de como somos na maioria das vezes egoistas, ela está la esperando por um abraço... abracemos enquanto podemos. bjs Dany

Véio Zuza disse...

'e impressionante como o tempo machuca a gente...
copim de leite!!!
ganhei esse nome dela, e ate hoje ela me chama...

francisco das chagas de almeida disse...

Um amigo com mais ou menos essa idade me falou que o homem é superior a tudo inclusive ao tempo mas eu discordo,ou ñ envelheceríam a propósito eu acho que o tempo é o sr.da razão por isso esse é o momento de abraçá-la,curtir o máximo.... um grande abraço meu caro.

Luíz Alcinei / Manaus-Am, disse...

Fram... acho q estou com uma carência muito grande de família, li 3 postagens sua hoje, e nessa tive q parar p enxugar uma lágrima q foi mais forte q eu. Abrace sua avó, aumente a frequência de visitas, estou distante e n tenho mais nenhuma... A vida n começa com o nascimento, muito menos termina com a morte, e sim qdo sentimos os músculos da emoção se contraírem, qdo sentimos algo, aí nos damos conta de q estamos vivos, amamos, odiamos, temos alegrias e tristezas e só o ser humano sabe o signiicado de uma lágrima q cai.....