Este é um blog de opinião. As postagens escritas ou selecionadas refletem exclusivamente a minha opinião, não sofrendo influência ou pressão de pessoas ou empresas onde trabalho ou venha a trabalhar.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Vai começar tudo de novo...


Deu num jornal da capital:

Vôo inaugural da Trip para Cruzeiro do Sul acontece em janeiro de 2010. Passagens terão preço promocional a partir de R$ 199,00, informou a companhia.

Há 10 anos é a mesma palhaçada. Uma empresa aérea “invade” o mercado da outra, pratica preços atraentes, ganha freguesia, “quebra” o concorrente, que é obrigado a parar de pousar por aqui, e depois, quando se acha sozinha, “dona” do negócio, bota pra lascar a negada.

Quando o avião da Gol aterrissou em Cruzeiro do Sul a primeira vez eu me encontrava no meio de uma multidão que superlotava o ainda acanhado aeroporto da cidade. Foi lindo: Pontualmente (o que é raro em avião, principalmente se a gente chega no horário certo), o Boeing correu pela pista e parou diante de um povo massacrado pelo monopólio e com uma raiva danada da Rico. Foi lindo, mas foi uma ilusão.

Aplaudi também, eu estava ali para aplaudir mesmo, não adianta negar. Na minha inocente babaquice cheguei a acreditar que a concorrência manteria os preços das passagens num patamar acessível inclusive aos miseráveis.

Aguardada como a redenção e aplaudida sofregamente, a Gol não teve a decência de corresponder as nossas expectativas e em pouco tempo, quando a Rico Linhas Aéreas cancelou o vôo para Cruzeiro, a exploração voltou ao absurdo anterior e é o que vemos hoje.

Desta vez não irei ao aeroporto. Mesmo sentindo a mesma alegria vingativa que senti na anterior. Esperemos...

Um comentário:

Francisco Dias disse...

Meus conterrâneos só espero que vcs não sejam traidos assim como cidades do interior do Amazonas onde a Trip opera, pois é Prefeito, vereador, enfim todos revoltados, pois quando existem finais de semana prolongados a citada tira seus aviões e coloca pra outros locais onde possam ganhar mais dinheiro e deixando a população a ver navios, desculpe barcos.