Este é um blog de opinião. As postagens escritas ou selecionadas refletem exclusivamente a minha opinião, não sofrendo influência ou pressão de pessoas ou empresas onde trabalho ou venha a trabalhar.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Poesia não cura dor de dente, mas...


 O Juruá não é o Tejo, mas que é lindo...

O Tejo é mais Belo (Fernando Pessoa)

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.
Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.

O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010


Bandeirantes à vista? 

Pode até ser despiste, mas crescem no entorno de José Serra as conversas de que o chefe poderá abrir mão da candidatura à presidência em prol de uma reeleição garantida em São Paulo. 

A pesquisa Datafolha que será divulgada neste domingo poderá ser um divisor de águas na campanha eleitoral. 

Se a diferença entre Serra e Dilma cair muito, o governador ficaria no Bandeirantes e concorreria à reeleição. 

Se o quadro não se alterar muito, Serra permanece na luta para suceder o presidente Lula. Faz sentido.

Fonte: Entrelinhas

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Pobre Juventus...

Um massACRE ao nosso melhor time. 

Coitado do Juventus que não suportou a fúria do Atlético Mineiro na partida pela Copa do Brasil disputada agora há pouco no Estádio Arena da Floresta. Galo na floresta é uma fera desde que não apareça Raposa...

Pois foi, só o famigerado Obina fez cinco gols. O placar: 7 a 0. Com isso, o Juventus economiza dinheiro com passagens e estadia em Belo Horizonte.

Deixa pra lá gente, tem nada não, isso de futebol por aqui não é pra ser levado a sério. Vamos cuidar da roça, arrumar a cerca, fazer um bico.

Futebol profissional aqui pelo Acre é para quem não tem o que fazer. 

Melhor mesmo é fazer como a gente faz no fim de semana lá nos transmissores da Rádio Verdes Florestas - brincar, malhar os outros e se divertir. 

Lá, sem apoio nenhum, os times são formados, pela afinidade e às vezes pelo talento (?). Ninguém ganha, ninguém perde, quando a bola está ruim a turma compra outra, quando o capim está muito alto o Cabral dá um jeito e assim a vida segue. 

O Feitiço de Áquila (Para quem acredita no amor, apesar de tudo...)


terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Para quem precisa de ânimo, ou apenas uma palavra amiga


Recebi por e-mail e seria até pecado não passar adiante. Um texto belíssimo, de verdades inquietantes e manietadoras. Obrigado, Padre Antonio Pires!
Nós bebemos demais, gastamos sem critérios. Dirigimos rápido demais, ficamos acordados até muito mais tarde, acordamos muito cansados, lemos muito pouco, assistimos TV demais e raramente estamos com Deus.

Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores.

Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente.

Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos.

Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores.

Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos.

Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.

Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos.

Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados.

Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'.

Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na despensa.

Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre.

Lembre-se de dar um abraço carinhoso em seus pais, num amigo, pois não lhe custa um centavo sequer.

Lembre-se de dizer 'eu te amo' à sua companheira(o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, se ame... se ame muito.

Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. 
Texto de George Carlin
 
George Denis Patrick Carlin (Nova Iorque, 12 de maio de 1937 — 22 de junho de 2008) foi um comediante, ator e autor norte-americano, pioneiro, com Lenny Bruce, no humor de crítica social. A sua mais polémica rotina chamava-se "Sete Palavras que não se podem dizer em Televisão", o que lhe causou, durante os anos setenta, vários dissabores, acabando preso em inúmeras vezes que levou o texto a palco.
Mais em: wikipedia

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Devagar, mas vai...

Sofrível. É a situação da minha conexão de internet hoje. 

Para completar meu computador esteve emburrado e se não fosse pelas coisas que tenho arquivado nele, teria feito igual fazia quando criança lá na longinqua Porto Walter da minha infância(longinqua pelo tempo, digo).

Quando criança  fui um grande construtor de brinquedos de madeira (e acho que ainda hoje seria), principalmente barcos e aviões (como afinal éramos todos, construtores de nossos próprios brinquedos).

Recordo até com vergonha, que muitas vezes já em fase de acabamento de algum engenho de madeira, já quase pronto, por algum detalhe não satisfatório, quebrava tudo, fazia pinicado do que há poucos instantes tinha sido um barquinho. Às vezes até chorava de raiva. 

Confessei isso apenas para ilustrar o risco que um notebook emburrado correu. Ainda bem que tenho um amigo super fera em informática que tem um cd "tira pregos". Valeu Wanderlei Gadelha!

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Abre do olho, Serra!!!


Agora é certeza: Dilma Roussef é pré-candidata à Presidência do Brasil. 
Seu nome foi aprovado por unanimidade no encerramento do 4º Congresso Nacional do PT.

"Continuidade é avançar, avançar e avançar"


Dilma.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Foto para a História de Cruzeiro do Sul

Contrário à opinião de alguns tolos que escondem suas imagens e consequentemente dificultam a produção e a compreensão da nossa história, vou postando aquelas que considero mais significativas.

A imagem é do início dos anos 80 e mostra uma Cruzeiro do Sul ainda de frente para o Rio Juruá.

Explicando a imagem: Percebe-se a imponência da Catedral de Nossa Senhora da Glória (1957) e ao lado à direita, o Palacete dos Ruelas (1940). 
Bem à  direita, o Antigo Fórum (1907. É ao lado da Escola Barão do Rio Branco e o Museu José Augusto,  o prédio mais antigo de Cruzeiro do Sul). 
Do lado esquerdo da Catedral, no alto o Morro da Glória com o Bispado e na margem do rio o Cais do Porto (1912).


Xangai é Show (Bolero de Isabel)


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Seu Chico foi consertar o olho

Meu avô materno, "Seu Chico Jararaca" está em Rio Branco tentando, como ele me disse, "consertar o olho".

Está fazendo uma falta danada por aqui, principalmente às tardes quando nos reuníamos na casa dos meus pais (onde ele mora atualmente), para tomar um café e ouvir suas histórias.

Quem é Chico Jararaca? É o meu avô mais novo e tem 87 anos (o outro é o Vô Raimundo de 89 anos), uma boa catarata, viúvo, que não gosta de futebol, muito menos de estar entre gente velha. Gosta mesmo, e ainda bem, é de contar coisas do tempo em que era criança, de contar piadas.

Bom também para satisfazer as minhas inquietações sobre o meu novo projeto (quase realidade, só mais um pouquinho...) literário.

Volta logo Vô, e vê se não esquece o resto daqueles versos que o Seu Padué Pinheiro "tirou" de todos os moradores de Porto Walter por volta de 1950. O do "Seu Ventura" era mais ou menos assim:

O Seu Francisco Ventura
O ferreiro do lugar
Tudo o quanto já não presta
Vai pra ele consertar...

 Ao lado uma foto nossa.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O Saldo do Carnaval em Cruzeiro do Sul


Aqui em Cruzeiro do Sul, graças ao esforço integrado dos agentes de segurança pública (as polícias Civil, Militar, Bombeiros e Ciretran), e da própria população que resolveu apenas se divertir e aproveitar os dias de folga, tudo dentro da normalidade.

Dizem que os bandidos ficaram apavorados ante a possibilidade de levar um “tiro” de TASER, a nova arma da Polícia Militar que emite choque elétrico. Quem levou choque conta coisas assustadoras, brinque? Nossa Senhora do Desterro, Deus-me-livre-e-guarde!

Mas não é isso não, os caras estão é se educando e desconfiando que o crime não compensa. Deve ser isso, tomara.

Por aqui, em Cruzeiro do Sul e cercanias, nenhum óbito. Nenhum, mesmo! Valeu, gente! Valeu abrir mão de uma lata de cerveja e poder voltar pra casa.

É isso que nos motiva a continuar abrindo mão da festa e dos festejos do carnaval para muitas vezes, mesmo pouco compreendido, alimentar o sonho de salvar vidas. Mesmo que para isso tenhamos que parecer arrogantes apenas por solicitar a documentação do veículo ou a habilitação dos amigos.

Há um momento nas nossas vidas que temos que tomar decisões. Obrigado mesmo não era, mas sinto imensa felicidade de ter contribuído.

Ano que vem, espero poder estar em plena terça-feira de carnaval, alertando os conhecidos e anônimos sobre os riscos nas estradas durante os dias de celebração dionisíaca. Sem me importar com o samba, mas alegre e de bem com as minhas convicções.

O Saldo do Carnaval no Brasil


Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal houve um aumento de 13% no número de vítimas de acidentes de trânsito no carnaval de 2010 a nível nacional.

Apenas em acidentes registrados nas rodovias federais morreram 143 pessoas em 3.233 acidentes.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

"Vocês não podem servir a Deus e ao diabo" (CF-2010)


Foi lançada hoje a Campanha da Fraternidade 2010.  Ecumênica pela terceira vez, reunirá cinco igrejas entre elas a Católica e tem por objetivo/lema, alertar para a perigosa mistura religião-dinheiro.

Tirada do evangelho de São Mateus, o lema "Vocês não podem servir a Deus e ao diabo" traduz a preocupação com "uma economia a serviço da vida", que caminhe para uma "sociedade sem exclusão", segundo o reverendo anglicano Luiz Alberto, secretário-geral do Conic.

Apesar de não ser o eixo principal da campanha, também manifesta a preocupação com a mistura entre religião e dinheiro.

Hoje, como no passado, as comunidades cristãs devem se interrogar sobre seu patrimônio, seu uso do dinheiro e seu compromisso com a transformação econômica e social do país.

O texto-base da Campanha, faz referência a essa preocupação. "As comunidades cristãs precisam resistir à tentação de transformar o culto a Deus em moeda para a obtenção de prosperidade. O cristão é um servidor, não alguém que recorre a Deus em busca de favores", diz trecho na página 66 do documento.

Hoje na História


Notícia publicada hoje no G1:
Abdoulkhakim Ismailov morreu aos 93 anos no Daguestão. Um dos três soldados da extinta URSS imortalizados numa fotografia que mostra a bandeira soviética hasteada no telhado do Reichstag, a sede do Parlamento alemão, em Berlim, em maio de 1945, morreu aos 93 anos, anunciaram nesta quarta-feira (17) as autoridades russas.
Abdoulkhakim Ismailov, que foi declarado herói da União Soviética, morreu na terça-feira em Khassaviourt, Daguestão, república do Cáucaso russo, informou a prefeitura da cidade em seu site.
"Sua enorme experiência de vida e os serviços que prestou à pátria ficaram para sempre gravados nas memórias de gerações de hoje e de amanhã", segundo o comunicado.
Ismailov, que serviu ao Exército Vermelho desde 1939, chegou a participar da terrível batalha de Estalingrado (1942-1943), vencida pela URSS e que marcou o início do recuo das tropas nazistas de Adolf Hitler.
A foto de Evgueni Khaldei registrando a tomada do Reichstag pelas tropas soviéticas pode ter sido encenada.

Mas, foi nas ruínas de Berlim que se encontrou com a História, tornando-se um dos três soldados fotografados pelo jornalista da agência TASS, Evgueni Khaldei, quando agitava a bandeira soviética sobre o Reichstag.
A foto tornou-se símbolo da derrota do Terceiro Reich de Adolf Hitler. Mas historiadores afirmam que ela pode ser uma montagem e que teria sido tirada dias depois da tomada da cidade, com objetivo de propaganda.
A imagem é comparada, com frequência, com a fotografia que mostra seis soldados americanos fincando a bandeira estrelada em fevereiro de 1945 na Ilha de Iwo Jima no Japão.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010


Recebi por e-mail e não poderia deixar de compartilhar. Valeu, Angélica Paiva!

CAVALO CEGO

"Aprendi que o jeito mais fácil de crescer como pessoa, é me cercar de pessoas melhores que eu".

Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá. De longe, parecem cavalos como os outros cavalos, mas, quando se olha bem, percebe-se que um deles é cego. Contudo, o dono não se desfez dele e arrumou-lhe um amigo - um cavalo mais jovem. Isso já é de se admirar.

Se você ficar observando, ouvirá um sino. Procurando de onde vem o som, você verá que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor.

Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele. Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o companheiro até o estábulo. E você percebe que o cavalo com o sino está sempre olhando se o outro o acompanha e, às vezes, pára para que o outro possa alcançá-lo.

E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o  Outro o está levando para o caminho certo.

Como o dono desses dois cavalos, Deus não se desfaz de nós só porque não somos perfeitos, ou porque temos problemas ou desafios. Ele cuida de nós e faz com que outras pessoas venham em nosso auxílio quando precisamos. Algumas vezes somos o cavalo cego guiado pelo som do sino daqueles que Deus coloca em nossas vidas.

Outras vezes, somos o cavalo que guia, ajudando outros a encontrar seu caminho.

E assim são os bons amigos. Você não precisa vê-los, mas eles estão lá.

Autor Desconhecido

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Carnaval, outra vez?

Como já estamos em pleno carnaval (digo, menos os policiais, os funcionários da saúde, os agentes funerários), posto um ótimo artigo da Profª Adriane Picchetto Machado abordando o tema do consumo e abuso de bebidas alcóolicas. Vale a pena conferir:



O USO DO ÁLCOOL COMO PROBLEMÁTICA SOCIAL

O Alcoolismo é um problema de dimensões muito sérias na nossa sociedade e no mundo atual, e um dos fatores agravantes, que contribuem para o seu desenvolvimento  é a extrema tolerância (quase incentivo) com que é tratado.
O uso do álcool é visto como fazendo parte da nossa cultura, sendo a permissividade ao seu uso extrema. É considerado normal uma pessoa beber com certa freqüência e até mesmo se embriagar em ocasiões especiais (festas, comemorações, shows, etc.).
Estima-se que no Brasil, as pessoas que tem problemas com drogas (da maconha ao LSD) somam somente 0,1% da população e com o álcool a dependência atingiria 10% dos brasileiros.
Há uma relação direta do consumo de bebidas alcóolicas com  diversas doenças, o número de acidentes de trânsito e de trabalho, a diminuição da produtividade em empresas, a violência (taxa de homicídios, suicídios, agressões, infrações).
As políticas públicas sempre voltaram-se para a repressão ao uso das drogas, porém em relação ao álcool se observa uma tolerância, sendo comum a venda de bebidas alcóolicas à menores.  Em contrapartida, muito pouco se faz no campo da prevenção, através da educação para a saúde.
Infelizmente, as drogas lícitas, em particular o álcool e o tabaco foram,  através da publicidade, elevadas à condição de promotoras de sucesso, poder e bom gosto. A mídia tem um papel preponderante neste fenômeno, já que "vendem" sucesso, conquista, felicidade, ligados a condutas de ingestão de álcool ou cigarro.
O abuso de álcool pode ser considerado como o problema número um de saúde pública entre jovens. O governo, em suas campanhas, deixa claro os perigos da maconha e da cocaína e ignora o álcool.  Um dos fatores importantes que levam a esta situação é o fato de que os adolescentes sabem que não vão ter overdose e existe a comodidade de que a bebida é legalizada e de preço relativamente acessível. Também o ato de beber é visto pelos jovens como sendo um comportamento adulto, o que vêm a incentivar os adolescentes ao uso do álcool como forma de auto-afirmação.
  Certos números demonstram o alcance de tal problemática:
- hoje, no Brasil, se produz mais de 20.000 marcas de aguardente;
- em 1999, foram consumidos mais de 1.500.000 litros de bebidas alcoólicas;
- 90% da população do Brasil faz uso de bebidas alcóolicas de forma ocasional
- 30% dos que bebem apresentam abusos e problemas com o consumo
- 10% criam dependência, que chamamos alcoolismo ( Carazzai, 2000)
- pesquisa do centro brasileiro de informações sobre drogas psicotrópicas (CEBRID) mostra que 70,4% dos estudantes de 1º e 2º graus da rede estadual da cidade de São Paulo começam a beber por conta própria entre 10 e 12 anos.
- em pesquisa feita em Porto Alegre – a idade do primeiro gole é 10 anos e do primeiro porre, 13 anos.

Esta permissividade em relação ao uso do álcool reflete em outra grande problemática da nossa sociedade atual : o Trânsito. Em geral, as pessoas não consideram as alterações  no desempenho no trânsito trazidas pelo álcool como importantes, e não são poucas as tristes histórias de mortes de jovens vítimas da inconsciência e da falta de informação.
Os efeitos do álcool no trânsito podem ser devastadores, sendo que o álcool produz no indivíduo as seguintes alterações quanto às capacidades e pré-requisitos à condução segura:
1. Sob a ação de bebidas alcóolicas, ainda que em doses insuficientes para prejudicar a motricidade, os condutores se sentem corajosos, ousam mais, não consideram os riscos e têm dificuldade para considerar as possíveis conseqüências dos seus atos. podemos dizer que a percepção de risco fica comprometida.
2. Também a possibilidade de avaliar as suas próprias condições para a direção veicular se torna inexistente, desta forma, o indivíduo que se alcooliza relata ficar mais esperto depois de algumas doses.
3. O álcool inibe as funções do córtex cerebral inicialmente, produzindo no condutor um  cansaço maior do que o habitual, provocando sonolência e fadiga muscular e sensorial.
4. Pelo uso do álcool as funções sensoriais se tornam lentificadas, como o tempo de reação, julgamento, decisão, etc. Também a visão apresenta alterações, ficando o indivíduo comprometido quanto à avaliação das distâncias e velocidade.
5. Na pessoa que se encontra alcoolizada, a atenção concentrada a um único objeto produz sonolência, e no trânsito, em geral,  olhamos de forma fixa na mesma direção, outro grande risco para a direção segura.
6. No condutor alcoolizado pode haver uma importante falta de coordenação motora, transtornos de equilíbrio, diminuição do rendimento muscular e diminuição do controle dos movimentos.

E então, que cuidados devemos tomar no Trânsito?

• Não há porque tomar café forte ou amargo, leite, banho frio, dar caminhadas ou “tomar ar”.  A pessoa fica mais ativa, mas tão bêbada quanto antes. A eliminação ocorre de forma natural e é lenta, podendo levar de 06 a 08 horas.
• Nunca aceite carona de alguém alcoolizado
• Ofereça-se para dirigir se alguém que conhece não se encontrar em condições
• Tente impedir alguém embriagado de dirigir
• Nunca insista para que alguém tome mais um drinque
• Se for sair e souber que vai beber – vá de táxi
• Combine com os amigos quem será o  “motorista da vez”

Devemos, como sociedade, encarar a problemática do álcool de acordo com a ótica do problema social, de saúde pública, que é a real dimensão do uso do mesmo em  nosso país. E a possibilidade de resolução está em cada um de nós, numa mudança de mentalidade, de busca de transformação desta realidade séria e preocupante que hoje se apresenta mascarada na forma da permissividade e tolerância.

"Seria bom que a embriaguez fosse encarada como algo grotesco. Não associá-la a alegria e diversão faria muita diferença. Continuamos achando que ficar bêbado numa festa é divertido" (Vaillant, 1999)
 



Às vezes é preciso se fazer entender...

RUI BARBOSA E O LADRÃO

Contam que o grande orador e estadista brasileiro Rui Barbosa, ao chegar em sua casa derta vez, ouviu um barulho esquisito vindo do seu quintal.
Chegando lá, constatou que havia um ladrão tentando levar seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo, surpreendendo-o tentando pular o muro com seus amados patos. Batendo nas costas do tal invasor, disse-lhe:

- Ô bucéfalo, não é pelo valor intrínseco dos bípedes palmíferes e sim pelo ato vil e sorrateiro de galgares as profanas de minha residência. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares de minha alta prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica no alto de tua sinagoga que reduzir-te-á à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.

E o ladrão, confuso, disse: - Ô moço, eu levo ou deixo os patos?

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Valeu, Mandela!

Notícia publicada hoje no G1: 


Em 1990, líder anti-apartheid era solto após 27 anos em prisões. Ele recebeu homenagem no Parlamento do país nesta quinta (11). 

A África do Sul celebrou nesta quinta-feira o 20º aniversário de libertação de seu herói da luta antiapartheid, Nelson Mandela, cuja saída da prisão, após 27 anos detido, foi o primeiro sinal concreto do agonizante regime de segregação racial. 

Em uma de suas raras aparições públicas recentes, Mandela foi ao Parlamento na Cidade do Cabo para comemorar os 20 anos de sua libertação, e foi ovacionado ao entrar no plenário. 

Aos 91 anos, Mandela chegou acompanhado por sua terceira esposa, Graça Machel. Ele entrou no Parlamento por uma porta lateral para evitar os jornalistas.

Deputados fazem acordo para votar a PEC 300


Entendimento baixando o piso para R $ 3,5 mil eo salário dos oficiais para R $ 7 mil abre caminho para uma Possibilidade de votação

Um acordo em torno da PEC 300/08, que define o piso salarial de policiais e bombeiros militares, abriu ontem caminho para a votação da proposta de emenda constitucional até o final deste mês. Um grupo de parlamentares fechou nesta quarta-feira (10) um texto preliminar que Estabelece um salário inicial de R $ 3,5 mil para policiais e bombeiros em início de carreira e de R $ 7 mil para oficiais. Os valores ficam abaixo do que vinham como Reivindicando categorias. De acordo com uma proposta inicial, seriam os pisos de mil R $ 4,5 e R $ 9 mil, respectivamente.

“Há uma tentativa de acordo. Estamos tentando construir um texto de uma emenda aglutinativa. Já conseguimos Através de uma grande articulação chegar ao valor de R $ 3,5 mil. Esse salário já era o aceno do governo e, por isso, achamos que não vai haver resistência por parte dos governistas “, disse o deputado Átila Lins (PMDB-AM).

O texto preliminar combinação pontos da PEC 300 e da PEC 446, proposta de emenda sobre o tema aprovada pelo Senado. As duas emendas Estabelecem uma Necessidade de um valor mínimo salarial para policiais e bombeiros em todo o país. A PEC da Câmara, no entanto, vincula esse piso ao salário recebido pela categoria no Distrito Federal, unidade da Federação com uma remuneração maior, e Estabelece valores.

Críticos da PEC 300 Consideram que é inconstitucional estipular valores de piso na Constituição. Eels afirmam que, assim como os professores ocorreu com, Deveria ser o valor estipulado por lei federal posterior ser incluída na emenda à Constituição, como prevê uma PEC 446. Mas, segundo a Secretaria Geral da Mesa da Câmara, pelo menos, duas emendas constitucionais (20/1998 e 41/2003) Fixam valores no texto constitucional.

“Vimos que não é inconstitucional. Ontem o presidente Temer Reafirmou seu compromisso de pautar uma PEC 300, mas disse que havia uma Necessidade de ajustes, por causa das resistências dos Governos federal e estaduais Devido aos custos. Temos conhecimento do que representa um salário com vinculação do DF. Por isso, desvinculamos para Diminuir o impacto orçamentário da medida “, afirmou o deputado Paes de Lira (PTC-SP), coronel da PM de São Paulo.

Pelo acordo em construção, o novo piso também contemplará os policiais civis e os pensionistas. A proposta preliminar propõe ainda que o novo piso passe a que assim valer a PEC for promulgada. Inicialmente as novas regras davam prazo de um ano para os Governos se adequarem aos valores. Os Estados que não conseguissem arcar com o novo piso Serão Socorridos pelo governo federal.

Notícia publicada no site da AMEAC

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Hoje na História


10/02/1952 - Ernesto Che Guevara chega ao Chile

Voltamos!!!

Não por querer e menos ainda por não querer, mas o meu pecado é que andei sumido por dois dias e meio. 

Já estou por aqui e percebi que os amigos cuidaram do blog enquanto estive ausente. Blog é assim: se a gente acessa e não tem novidades... 

Estive às voltas com planejamento escolar ou como preferem os especialistas "andei arrumando as ferramentas". Ser professor de História não é fácil, mas... De 08/02 a 10/12 é batendo escanteio e cabeceando.

Até quando? Eu sei lá... só sei que é ótimo! 

Pela cidade, nada de novo no front, apenas a "novidade" da enchente tardia do Rio Juruá (fotos). 
Até que enfim, pois já tinha gente prevendo que este ano não haveria enchente. Bem, enchente mesmo ainda não, mas já é um bom começo.

Amanhã tem mais. Fui!!!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Crônica para o Domingo


Acho a maior graça. (Luis Fernando Veríssimo)

Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...

Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.

Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal para minha saúde.

Prazer faz muito bem.

Dormir me deixa 0 km.

Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.

Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.

Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.

Brigar me provoca arritmia cardíaca.

Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago.

Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.

E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem!

Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem; você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.

Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde.

E passar o resto da vida sem coragem para pedir desculpas, pior ainda.

Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.

Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!

Cinema é melhor pra saúde do que pipoca. Conversa é melhor do que piada.
 
Exercício é melhor do que cirurgia.

Humor é melhor do que rancor.

Amigos são melhores do que gente influente.

Economia é melhor do que dívida.

Pergunta é melhor do que dúvida.

Sonhar é melhor do que nada.


sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Rsrsrsrsrsrsrsrs

Se avexe não, fique tranquilo que este blog continua sério.
O título acima é apenas para ilustrar a situação da Avenida Copacabana em Cruzeiro do Sul.
Veja e calcule. Calcule o tamanho da felicidade de quem mora e trabalha por ali.

Da Seção "Variedades"


GRANDES MENTIRAS (QUE A GENTE OUVE E FALA)
           
Satisfação garantida ou seu dinheiro de volta."

"Não nos procure, nós o procuraremos."

"Pode deixar que eu te ligo."

"Puxa, como você emagreceu!"

"Fique tranquilo, vai dar tudo certo!"

"Quinta-feira sem falta o seu carro vai estar pronto."

"Pague a minha parte que depois eu acerto contigo."

"Eu só bebo socialmente."

"Isso é para o seu próprio bem."

"Eu estava passando por aqui e resolvi subir."

"Estou te vendendo a preço de custo."

"Não vou contar pra ninguém."

"Não é pelo dinheiro, é uma questão de princípios."

"Somos apenas bons amigos."

"Que lindo é o seu bebê."

"Pode contar comigo!"

"Você está cada vez mais jovem."

"Eu nem reparei que você usava peruca."

"Não contém aditivos químicos."

"Estou sem troco, leve um chiclete."

"Obrigado pelo presente, era exatamente o que eu estava precisando."

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Tocava o sino na torre

Tocava o sino na torre 
E sabíamos o exato da hora 
O exato amanhecer. 
O dia esperava o sino tocar 
Para nascer ou morrer. 
As mãos esperavam tocar meio-dia 
Estendidas a pedir a bênção 
A quem tivesse autoridade. 
Os que tinham almoço 
Esperavam tocar meio-dia 
Pra começar a comer. 
Tocava o sino na torre 
Tocado no automatismo 
Dos passos quase inaudíveis 
De sineiro fantasma. 
Tocava o sino na tarde 
Ecoando nas colinas 
Após tocar decorado 
No exato entardecer 
A ave-maria. 
Tocava um sino na torre 
Tocado por penitente. 
Se alguém, tocado por braço forte, 
Perdia maior batalha 
Era sino diferente. 
Preguiçoso e melancólico 
Ditando o exato da hora 
No exato desapego 
Tocava o sino na torre 
Ecoando na saudade.

(Quatro Colinas, pág 37)

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Hitler é informado sobre a PEC 300...


Nova ortografia e escravidão


Artigo do Professor Ernani Pimentel publicado no Simuladão do Correio Braziliense:

O Decreto n.º 6.583, de 29 de setembro do ano passado, assinado pelo presidente da República Federativa do Brasil, fez nascer para o povo brasileiro a realidade de que, a partir de 1º de janeiro último, entraram em vigor as nossas novas regras de escrita, resultantes do acordo ortográfico, subscrito pelos governos dos países falantes da Língua Portuguesa.

Independentemente de estarmos todos preparados para adotar as novas regras, como já o fizeram muitas empresas jornalísticas, educacionais e editoriais e muitas outras o estão fazendo, é importante refletirmos sobre a necessidade de aprimorar esse acordo para tirá-lo das premissas compatíveis com o século 20, época em que foi pensado, e adaptá-lo à realidade prática e racional do século 21, período em que passa a viger.

Se há algo que sempre atrapalhou o ensino-aprendizagem do capítulo ortografia, desmotivando alunos e professores, produzindo uma consciência coletiva de incapacidade de escrita e de subordinação compulsória ao dicionário, chama-se “exceção”. Se no século passado se aceitava que a “exceção comprovava a regra”, hoje a consciência predominante é de que “a exceção destrói a regra”, torna-a incapaz e desinteressante, porque transmite a sensação de perda de tempo: para que estudar uma coisa que é falha, que não tem lógica, que é irracional? Ao homem do terceiro milênio não interessam as formulações superficiais, não práticas, não racionais e dogmáticas. É, pois, preciso adequar a ortografia a essa nova etapa de evolução do ser humano, que deixa de ver o mundo sob a ótica da linearidade e passa a captá-lo sob um ponto de vista quântico, holístico.

Qualquer indivíduo inteligente, hoje, (e todos, em princípio, o são) não aceita imposições irracionais docilmente e vai querer saber:

- Por que blêizer se escreve com z, e gêiser, com s?
- Por que estender com s, e extensão com x?
- Por que água-de-coco com hífen, e suco de uva, sem?
- Por que Nova Guiné, sem hífen, e Timor-Leste e Guiné-Bissau, com?
- Por que eliminamos o trema de nossas palavras, e o usamos nas estrangeiras?
- Por que proto-herdeiro com h e hífen, mas coerdeiro sem eles?
- Por que duas grafias aceitas para uma mesma palavra, bi-hebdomadário e biebdomadário?
- Por que cor de café, cor de bonina sem hífen, e cor-de-rosa, com?
- Por que paraquedas, paraquedista, paratudo, sem hífen, mas para-raios e para-sol, com?
- Por que para-raios e para-sol com hífen, mas contrarregra e contrassenso com rr e ss, sem hífen?
- Por que giravolta sem hífen, mas gira-mundo, gira-pataca (bobo) e gira-discos, com?
- Por que guarda-chuva e manda-tudo têm uma só grafia com hífen obrigatório, porém mandachuva está correto sem hífen ou com ele, manda-chuva?
- Por que as onomatopeias com palavras repetidas ora têm hífen (reco-reco, blá-blá-blá), ora o dispensam (panapaná, panapanã)?
- Por que, em madre-forma, madre-mestra e madre-caprina, o hífen é obrigatório, mas não é usado em madrepérola?
- Por que água-de-colônia com hífen e água de cheiro, sem?
-Por que pé de botina, pé de sapato, pé de chinelo sem hífen e pé-de-meia, com?
- A palavra arco-íris tem quatro outras denominações arco de Deus, arco da chuva, arco da aliança e arco-da-velha. Por que só a última tem hífen, se todas têm preposição?
- Por que há duas grafias corretas para pré-embrião/preembrião, com ou sem hífen, mas uma só para pré-embrionário, com hífen?
- Por que só existe uma grafia, com hífen, para pré-esclerose, mas duas para seu adjetivo, pré-esclerótico/preesclerótico, com ou sem hífen?
- Por que só uma grafia para preeleger, sem hífen, mas duas, com ou sem hífen, para pré-eleito/preeleito, pré-eleição/preeleição...?
- Por que duas grafias para ab-rupto /abrupto, quando se deve ensinar que a melhor pronúncia é a que separa os dois elementos?
- Por que duas grafias corretas para adrenal /ad-renal, com ou sem hífen, mas uma só, sem hífen, para adrenalina e adrenalite?
- Por que futuro do pretérito se escreve sem hífen, mas mais-que-perfeito deve ser hifenado obrigatoriamente?
- Por que se mantiveram as grafias mal-andança (infortúnio), mal-assombro (fantasma), malconceito (má fama), malcriação, se o mal está indevidamente usado como adjetivo. - Deveria ser má-andança, mau-assombro, mau-conceito, má-criação?

Se você, leitor, concorda que o ensino da ortografia deve ser simplificado eliminando-se esses disparates, eliminando-se as exceções, entre no blog www.acordarmelhor.com.br, clique em“eu assino o manifesto”, preencha seus dados e os envie, e sua atitude valerá como uma assinatura de apoio à luta pela racionalização e simplificação ortográficas.

Acredite em você, em nós, em nossa causa, divulgue essas ideias o máximo que puder, e conseguiremos, na hora de escrever, nossa independência dos dicionários, para escrever.